Farelo de Trigo


Conhecido também como Fibra Vegetal, é a camada externa do Grão de Trigo, muito necessária ao organismo, pois a função básica da fibra é filtrar as gorduras e os alimentos que ingerimos.

Porém, é a celulose que o torna fundamental na dieta.

Não sendo absorvida na digestão humana, a celulose serve para engrossar o volume do bolo alimentar, estimulando os movimentos peristálticos do intestino, combatendo um dos males da vida moderna: a prisão de ventre.

O trânsito lento do bolo alimentar no intestino provoca a diverticulite, que se caracteriza por pequenas lesões na parede do cólon, ocasionando a diminuição do seu diâmetro.

Os sintomas são: 
azia, náuseas, dilatação e dores abdominais, gases, prisão de ventre. 

O agravamento desta moléstia leva a um quadro de infecção intestinal conhecido como diverticulite. Favorecem o desenvolvimento dessas perturbações, as dietas pobres em fibras e o excessivo consumo de carboidratos refinados.

O uso diário do farelo de trigo combate a obesidade, porque exige maior tempo de mastigação, provocando o aumento da produção de saliva e sucos gástricos.

Esse líquido mistura-se com a comida no estômago e provocando o aumento do bolo alimentar, sacia mais rapidamente o apetite.

O farelo de trigo favorece a eliminação de gorduras e toxinas dos órgãos de digestão e excreção, fornecendo mais vitalidade e resistência ao organismo.

Modo de usar: 

Pode-se misturá-lo ao leite, sucos, coalhadas, iogurte, sopas, massa de bolos, pães, biscoitos. Iniciar com pequenas quantidades diárias, pois absorvendo água, o farelo aumenta de tamanho até 20 vezes.

Consumido diariamente evita ataques cardíacos, diverticulite, varizes, hemorróidas, obesidade, colesterol, prisão de ventre e câncer no cólon e reto.

Rico em nutrientes como: proteínas, vitaminas B1, B2, B3, B6, P, cálcio, ferro, fósforo, potássio e sódio.


Fraternos Abraços

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alimentação Saudável X Obesidade

Alimentação Ácida ou Alcalina? Conheça a Bioquímica Ideal do Sangue

Aplicando a Trofoterapia à nossa alimentação